terça-feira, 21 de janeiro de 2014

Feérica.

Resenha de um livro que comprei por nada menos do que consumismo e só li por colocá-lo no Desafio de férias! Ok, sou meio maluquinha mesmo...hahaha

Violet Lashian é uma fada nada convencional.
Rejeitada pelas outras fadas por ser diferente, Violet acredita que com seu cabelo violeta, sua personalidade forte e seu fascínio por humanos, seu verdadeiro lugar não é ali entre outras muitas outras Feéricas e sim na terra onde faria a diferença.
Determinada, Violet decide vir para a Terra e buscar seu “lugar ao sol”.
Encantada com o mundo dos famosos, ela quer se sentir parte daquilo e para isso se inscreve em um Reality show musical, que se torna a porta que levará a fada para festas badaladas, amizades com celebridades e eventuais erros de julgamento e ação. Mas este é o mundo dos sonhos da fada.
Mas, como a própria Violet diz, os humanos não esperam sempre que alguma fada os ajude a realizar seus sonhos? Então também não é justo que, em algum momento, os humanos realizem o sonho de uma fada?
A menos, é claro, que algo dê errado pelo caminho...


Como vocês sabem, este não é meu primeiro contato com uma obra de Carolina Munhóz, e, na verdade, minha primeira experiência não foi muito boa. Mas também não foi ruim o suficiente para me fazer desistir de vez da autora sem lhe dar outra oportunidade, então depois de ler muitas resenhas dizendo que Feérica era melhor do que O inverno das fadas e utilizando a lógica de que as coisas melhoram com a prática, achei que seria uma boa ocasião para dar uma segunda chance para a autora. Muito provavelmente não darei uma terceira.

Concordo que em alguns aspectos Feérica é melhor do que o livro que li anteriormente, mas sua qualidade, no geral, é basicamente a mesma: podia ser muito melhor. Meus problemas com este livro também foram quase os mesmos: a protagonista e o final. Novamente a protagonista que devia ser uma supergarota é na verdade uma criatura imatura e superficial, que meu deu nos nervos do início ao fim da história. Até achei graça em algumas trapalhadas sua ao chegar ao mundo dos humanos e tentar entendê-los, mas não demorou para que as coisas ficassem forçadas e desagradáveis. E o final, bom, ao menos desta vez eu entendi o que aconteceu (eba!), mas isso só me enfureceu, pois foi um final basicamente apático e que joga a história inteira para o alto e dá a entender um novo começo partindo do mesmo lugar em que o livro começou.

Claro que com uma protagonista chata e mimada, a narrativa não seria das melhores. Não é péssima, mas também podia ser melhor se não fosse dramática ao extremo em alguns momentos e fútil em outros. Podia existir um meio termo que balanceasse as coisas e não fizessem tudo se arrastar pelas páginas enquanto a história em si dá voltas, voltas e parece não chegar em lugar nenhum, somente indo cada vez mais para o fundo do poço que se transforma a vida de Violet. Ok, isso vai soar meio maléfico, mas em alguns casos é até bom que as coisas se compliquem para a protagonista, no entanto aqui isso não acontece, pois as coisas vão piorando por causa de Violet e ela não percebe. Quando essa decaída de vida acontece por fatores externos e fora de controle eu entendo, mas quando a protagonista faz questão de cavar sua própria cova, eu acho muito bem feito que ela fique por lá depois, então Violet que continue em seu fundo de poço, pouco me importo. ;P

Devo dizer aqui que, contrariando minhas expectativas, algo me surpreendeu. A autora fez uso de personalidades/pessoas reais sem tentar encobrir tudo com um véu de ficção que na verdade só servia para atrapalhar. Confesso que tinha receio de encontrar essa fantasia envolvendo a realidade e não dizendo nada (como aconteceu com o outro livro), mas fui surpreendida com a realidade escancarada e este é um ponto muito positivo, apesar de ser o único. Portanto, não é uma obra que eu vá sair recomendando por aí, mas acho que se alguém tiver interesse, vale a leitura. Não funcionou comigo e acredito que isso tenha a ver com minha primeira decepção com a autora, que me fez ficar tentando comparar as obras o tempo inteiro, não que tenha dado muita diferença, afinal não gostei de nenhuma... :( 
Resultado daquela noite: Violet havia provado mundialmente que a Terra era seu parque de diversões e não existiam mais reis, rainhas, presidentes ou milionários.
Violet Lashian governava o mundo. (Pág 203).

Título: Feérica.
História: 2/5.
Narrativa: 3/5.